Por que me sinto derrotado diante das tribulações?

“Outra vez procuravam prender Jesus, mas ele escapou das mãos deles” (Jo 10,39). Para os que meditaram o Evangelho dessa semana, além de ler a partilha, puderam perceber que, durante toda a semana, os fariseus tentavam prender e apedrejar Jesus, mas nunca conseguiam fazê-lo.

Em primeiro lugar, eles não conseguiam prender Jesus, muito menos apedrejá-Lo, porque ainda não era a hora d’Ele viver a Sua Paixão. E nós, muitas vezes, em meio às doenças, ao desemprego, às tribulações na família, às dificuldades nos relacionamentos, ficamos apreensivos e nos sentimos como se já não tivéssemos mais forças para continuar. Mas saiba que nada é por acaso, porque Jesus jamais deixaria que algo nos acontecesse se não fosse a nossa hora.

O Senhor pregava sabendo que os fariseus tentariam prendê-Lo, mas Ele não tinha medo. Jesus os incomodava, mas o que O fazia perseverar era a confiança que Ele tinha no Pai, e esta vinha da oração.

Se você não reza nem busca Deus em oração, todas as vezes que surgirem tribulações, você se sentirá derrotado, desanimado e com sentimento de ter sido “abandonado” pelo Senhor na sua vida. Talvez, hoje, você esteja assim; mas saiba que Jesus está ao seu lado e nada vai lhe acontecer antes da hora.

O que devemos fazer é entrar no humano de Jesus, que foi perseguido, caluniado, maltratado e crucificado, mas, no fim, saiu glorioso e vitorioso. Essa é a vontade de Deus para a nossa vida, que nós saiamos vitoriosos nas tribulações e perseguições que temos sofrido. Saiba e perceba que, quando Jesus se sentia ameaçado, Ele se retirava do meio dos homens para ficar a sós com o Pai.

Hoje, Ele retorna à fonte, ao início do Seu ministério. Vai para o Jordão, onde foi batizado, recebeu a unção do Espírito Santo e a voz do Pai testemunhou a Seu favor. Assim, quando você se sentir ameaçado, volte às origens. Relembre-se do lugar onde foi batizado e deixe que reinflame em você a unção batismal para ser reconfirmado na fé e poder caminhar, pacientemente, ao encontro do Cristo vitorioso.

Você foi batizado na Igreja, na casa de Deus. Se voltar para lá – como Jesus fez para se fortalecer – sairá vitorioso. Por isso, acorde meu irmão, minha irmã! Saiba que, sem Deus, nada podemos fazer. Retire-se para a pia batismal, o lugar onde você recebeu a unção do Espírito Santo. Então, como Cristo, você será testemunha da Boa Nova da Salvação a todas as pessoas, a começar pelos da sua casa.

Ademais, a Igreja dá muita ênfase à missão evangelizadora do cristão, à necessidade e obrigação que temos de levar a Palavra de Deus até onde nos for possível. O acolhimento da Palavra é essencial para desenvolvermos nossa fé.

“A Lei chama deuses as pessoas às quais se dirigiu a Palavra de Deus” (Jo 10,35). O sinal efetivo da nossa fé se reflete nas obras que realizamos e que brotam segundo os critérios divinos, nos identificando como criaturas semelhantes a Deus. “Acaso não está escrito na vossa Lei: ‘Eu disse: vós sois deuses’?” (Jo 10,34).

A verdadeira fé nos induz à disponibilidade divina, semelhante a de Maria na anunciação do anjo, tornando-nos instrumentos para a ação de Deus junto aos nossos irmãos. O Senhor sempre age por meio dos homens, mas nós só teremos méritos quando nos colocamos conscientemente disponíveis à Sua ação.

As boas obras decorrentes da nossa fé são elementos importantes de evangelização, servindo de testemunho às nossas palavras, o que levou os contemporâneos de Jesus a afirmar convictamente: “João não realizou nenhum sinal, mas tudo que ele disse a respeito deste homem, é verdade” (Jo 10,41). Mas para isso é preciso voltar à fonte batismal para sermos reabastecidos constantemente.

Padre Bantu Mendonça

RETIRO PAROQUIAL EM PREPARAÇÃO DAS SANTAS MISSÕES POPULARES PARÓQUIAS DE FERREIROS E CAMUTANGA – DIOCESE DE NAZARÉ- 11/03/2012

Dentro das comemorações do Ano Missionário diocesano a Paróquia de Nossa Senhora da Conceição em Ferreiros e a Paróquia de Nossa Senhora do Rosário em Camutanga realizaram seu Retiro preparatório rumo as Semanas Missionárias. Aqui em Ferreiros a Semana Missionária irá acontecer nos dias 11 a 17 de junho.

As SMP só tem sentido se tornarem presente a missão de Jesus. As suas últimas palavras aos discípulos antes de voltar para o Pai são palavras de envio: “ Ide pelo mundo inteiro e anunciai a Boa Nova a toda criatura!” (Mc 16,15)

A Missão de Jesus é realizar o Projeto do Pai, o “Reino de Deus”. “ Reino de Deus: essa é uma das expressões que mais aparecem nas conversas e nas praticas de Jesus. Fez desse projeto o sentido de sua vida. Abraçou-o como missão. Jesus não se pertenceu, mas pertenceu a essa missão, tão bem resumida nas palavras do profeta Isaias, que Jesus leu e assumiu publicamente durante um culto na sinagoga de Nazaré (Lc 4,14-21). Jesus organizou toda a sua vida e o seu dia a dia em função dessa missão. Seu tempo, suas andanças, seus gestos, suas decisões, suas relações com a s pessoas e com a sociedade eram orientadas pela missão. Tudo o que fazia e dizia tinham a marca da missão”. ( Luis Mosconi –Santas missões populares- pág 120-121). Esta deve ser também a nossa missão de batizados(as). Venha você também ser um missionário(a) entre nós e façamos Cristo mais amado por todo o mundo.










PARÓQUIA ELEGE NOVA COORDENADORA DA OVS



Valdelúcia Gonçalves de Lima e Silva
A mesma tem uma participação ativa na comunidade paroquial.
Participa da PASTORAL DO BATISMO,
PASTORAL DO DÍZIMO e dos movimentos MÃE RAINHA, ROSA MISTICA e OVS.

DIOCESE DE NAZARÉ SEDIARÁ ASSEMBLÉIA DA PASTORAL FAMILIAR

CONFERÊNCIA NACIONAL DOS BISPOS DO BRASIL

Comissão Regional da Pastoral Familiar - Regional Nordeste 2

“Tudo a partir de Jesus Cristo”


Hoje a salvação entrou nesta casa

Prezados irmãos

Nos próximos dias 23, 24 e 25 de março, estaremos sendo acolhidos pela Diocese de Nazaré para a realização de nossa Assembléia Regional do NE2. Este evento acontecerá nas instalações do Centro de Treinamento de Carpina – CETREINO, localizado à Av. Padre Rocha, 1369, Bairro São José, Cidade de Carpina/PE. O tema desta Assembléia será: “Tudo a partir de Jesus Cristo” e o lema: Hoje a salvação entrou nesta casa. Nosso objetivo é trabalhar para a conscientização da fé onde tudo acontece n’Ele, por Ele e com Ele.

Conforme acordado na última reunião acontecida em Guarabira/PB, novembro próximo passado, convidamos para estar presente conosco o Assessor e o Casal Coordenador Diocesano da Pastoral Familiar. Teremos uma pauta com momento de espiritualidade, formação, construção de um documento orientador das ações da Coordenação e contaremos com a presença e participação do Pe Wladimir Porreca (Assessor da Comissão Nacional de Pastoral Familiar).

A Ficha de Inscrição, a Pauta do evento e opções de hospedagem, estão sendo encaminhadas, anexo a esta carta, para que todos possam conhecer e preencher a Ficha, nos devolvendo, impreterivelmente, até o próximo dia 09/março, para que possamos organizar toda a infraestrutura necessária de hospedagem e alimentação para os participantes. Para aqueles que não optarem pela hospedagem nas residências, listamos algumas informações da rede hoteleira de Carpina, incluindo a hospedagem no próprio local do evento. Lembramos a todos que para este caso, hospedagem em hotel, centro, pousada, o contato, reserva e pagamento, será de responsabilidade de cada participante.

A Ficha de Inscrição deverá ser preenchida e enviada para o endereço indicado na mesma, preferencialmente de forma eletrônica para tornar-se mais efetivo e prático o trabalho da comissão organizadora, cumprindo rigorosamente a data de devolução e as orientações abaixo.


Pontos importantes a serem observados para as inscrições:

  1. Serão disponibilizadas 03 (tres) vagas para cada Comissão Diocesana, compreendendo o Casal Coordenador (2), o Assessor Eclesiástico (1).

  2. As hospedagens serão realizadas nas residências das famílias na cidade de Carpina/PE e nos hotéis, pousadas ou no Centro de Treinamento, para aqueles que assim desejarem. Lembramos a todos que só será atribuição da equipe de Carpina, as providências de hospedagem nas residências. As reservas nos hotéis serão de inteira responsabilidade dos agentes quando da realização de suas inscrições.

  3. Será cobrada uma taxa única de inscrição no valor de R$ 60,00 (sessenta reais) por pessoa, que servirá para a cobertura das despesas com alimentação, auditório, som, projeção, iluminação, etc. As informações para depósito estão contidas na Ficha de Inscrição.

  4. As inscrições deverão ser encaminhadas até o próximo dia 09/03/2012, para a secretaria do evento, em nome do casal Almeida e Mercês ou Genivaldo e Lúcia, nos endereços constantes da Ficha de Inscrição. Pedimos a todos o cumprimento do prazo para que a equipe de hospedagem possa fazer a distribuição dos inscritos com as residências disponíveis.

Solicitamos aos Diocesanos levar para a Assembléia o pedido de livros Hora da Família 2012.

Que a Sagrada Família de Nazaré abençoe a todos!



Henrique e Márcia Calado

Pastoral Familiar - Reg NE2


Pe. Francisco Valdemar Coelho Domingos

Assessor Eclesiástico Diocesano

Diocese de Nazaré-PE

JOVEM VOCÊ NUNCA ESTARÁ SOZINHO


Deus te ama e nunca deixará de te amar!!!

Cristo estende a mão para você!

Jesus chora em nosso meio, Ele conhece a nossa condição e sabe que a situação vivida por nós é consequência da ação do inimigo de Deus, que também é inimigo d'Ele. Satanás não quer que sintamos o amor do Senhor por nós, por isso ele pisa em nós e recalca nossas mentes e pensamentos como barro.

O Senhor quer deixar claro que não é Ele quem tem agido dessa maneira conosco, mas o maligno. Jesus não quer mais que acreditemos que somos inferiores, incapacitados, rejeitados, não amados, condenados, acusados, mas que creiamos n'Ele.

Cristo está no nosso meio e estende a mão para nos tirar de sob os pés do inimigo e de seu tacão. Quer que acreditemos no Seu amor e saibamos que Ele não nos tem acusado. Satanás é que tem feito isso, condenando-nos, jogando em nossa cara os erros presentes e passados e fazendo-nos crer que é Jesus que tem agido assim.

Jesus quer que creiamos no Seu amor, na Sua infinita misericórdia e nos convertamos.

Deus o abençoe!

Monsenhor Jonas Abib
Fundador da Comunidade Canção Nova

Catequese sobre o Sacramento da Confissão

1. O QUE É A CONFISSÃO?

Confissão ou Penitência é o Sacramento instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, para que os cristãos possam ser perdoados de seus pecados e receberem a graça santificante. Também é chamado de sacramento da Reconciliação.

2. QUEM INSTITUIU O SACRAMENTO DA CONFISSÃO OU PENITÊNCIA?

O sacramento da Penitência foi instituído por Nosso Senhor Jesus Cristo, segundo nos ensina o Evangelho de São João: "Depois dessas palavras (Jesus) soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem vocês perdoarem os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos" (Jo 20, 22-23).

3. A IGREJA TEM A AUTORIDADE PARA PERDOAR OS PECADOS ATRAVÉS DO SACRAMENTO DA PENITÊNCIA?

Sim, a Igreja tem esta autoridade porque a recebeu de Nosso Senhor Jesus Cristo: "Em verdade vos digo: tudo o que ligardes sobre a terra será ligado no céu, e tudo o que desligardes sobre a terra será também desligado no céu" (Mt 18,18).

4. POR QUE ME CONFESSAR E PEDIR O PERDÃO PARA UM HOMEM IGUAL A MIM?

Só Deus perdoa os pecados. O Padre, mesmo sendo um homem sujeito às fraquezas como outros homens, está ali em nome de Deus e da Igreja para absolver os pecados. Ele é o ministro do perdão, isto é, o intermediário ou instrumento do perdão de Deus, como os pais são instrumentos de Deus para transmitir a vida a seus filhos; e como o médico é um instrumento para restituir a saúde física, etc.

5. OS PADRES E BISPOS TAMBÉM SE CONFESSAM?

Sim, obedientes aos ensinamentos de Cristo e da Igreja, todos os Padres, Bispos e mesmo o Papa se confessam com frequência, conforme o mandamento: "Confessai os vossos pecados uns aos outros" (Tg 5,16 ).

6. O QUE É NECESSÁRIO PARA FAZER UMA BOA CONFISSÃO?

Para se fazer uma boa confissão são necessárias 5 condições:

a) um bom e honesto exame de consciência diante de Deus;

b) arrependimento sincero por ter ofendido a Deus e ao próximo;

c) firme propósito diante de Deus de não pecar mais, mudar de vida, se converter;

d) confissão objetiva e clara a um sacerdote;

e) cumprir a penitência que o padre nos indicar.

7. COMO DEVE SER A CONFISSÃO?

Diga o tempo transcorrido desde a última confissão. Acuse (diga) seus pecados com clareza, primeiro os mais graves, depois os mais leves. Fale resumidamente, mas sem omitir o necessário. Devemos confessar os nossos pecados e não os dos outros. Porém, se participamos ou facilitamos de alguma forma o pecado alheio, também cometemos um pecado e devemos confessá-lo (por exemplo, se aconselhamos ou facilitamos alguém a praticar um aborto, somos tão culpados como quem cometeu o aborto).

8. O QUE PENSAR DA CONFISSÃO FEITA SEM ARREPENDIMENTO OU SEM PROPÓSITO DE CONVERSÃO, OU SEJA, SÓ PARA "DESCARREGAR" UM POUCO OS PECADOS?

Além de ser uma confissão totalmente sem valor, é uma grave ofensa à Misericórdia Divina. Quem a pratica comete um pecado grave de sacrilégio.

9. QUE PECADOS SOMOS OBRIGADOS A CONFESSAR?

Somos obrigados a confessar todos os pecados graves (mortais). Mas é aconselhável também confessar os pecados leves (veniais) para exercitar a virtude da humildade.

10. O QUE SÃO PECADOS GRAVES (MORTAIS) E SUAS CONSEQUÊNCIAS?

São ofensas graves a Deus ou ao próximo. Eles apagam a caridade no coração do homem e o desviam de Deus. Quem morre em pecado grave (mortal) sem arrependimento, merece a morte eterna, conforme diz a Escritura: "Há pecado que leva à morte" (1Jo 5,16b).

11. O QUE SÃO PECADOS LEVES (ou também chamados de VENIAIS)?

São ofensas leves a Deus e ao próximo. Embora ofendam a Deus, não destroem a amizade entre Ele e o homem. Quem morre em pecado leve não merece a morte eterna. "Toda iniquidade é pecado, mas há pecado que não leva à morte" (1Jo 5, 17).

12. PODEIS DAR ALGUNS EXEMPLOS DE PECADOS GRAVES?

São pecados graves, por exemplo: O assassinato, o aborto provocado, assistir ou ler material pornográfico, destruir de forma grave e injusta a reputação do próximo, oprimir o pobre, o órfão ou a viúva, fazer mau uso do dinheiro público, o adultério, a fornicação, entre outros.

13. QUER DIZER QUE TODO AQUELE QUE MORRE EM PECADO MORTAL ESTÁ CONDENADO?

Merece a condenação eterna. Porém, somente Deus, que é justo e misericordioso e que conhece o coração de cada pessoa, pode julgar.

14. E SE TENHO DÚVIDAS SE COMETI PECADO GRAVE OU NÃO?

Para que haja pecado grave (mortal) é necessário:

a) conhecimento, ou seja, a pessoa deve saber, estar informada que o ato a ser praticado é pecado;

b) consentimento, ou seja, a pessoa tem tempo para refletir, e escolhe (consente) cometer o pecado;

c) liberdade, isto é, significa que somente comete pecado quem é livre para fazê-lo;

d) matéria, ou seja, significa que o ato a ser praticado é uma ofensa grave aos Mandamentos de Deus e da Igreja.

Estas 4 condições também são aplicáveis aos pecados leves, com a diferença que neste caso a matéria é uma ofensa leve contra os Mandamentos de Deus.

15. SE ESQUECI DE CONFESSAR UM PECADO QUE JULGO GRAVE?

Se esquecestes realmente, o Senhor te perdoou, mas é preciso acusá-lo ao sacerdote em uma próxima confissão.

16. E SE NÃO SINTO REMORSO, COMETI PECADO?

Não sentir peso na consciência (remorso) não significa que não tenhamos pecado. Se nós cometemos livremente uma falta contra um Mandamento de Deus, de forma deliberada, nós cometemos um pecado. A falta de remorso pode ser um sinal de um coração duro, ou de uma consciência pouco educada para as coisas espirituais (por exemplo, um assassino pode não ter remorso por ter feito um crime, mas seu pecado é muito grave).

17. A CONFISSÃO É OBRIGATÓRIA?

O católico deve confessar-se no mínimo uma vez por ano, ao menos a fim de se preparar para a Páscoa. Mas somos também obrigados toda vez que cometemos um pecado mortal.

18. QUAIS OS FRUTOS DE SE CONFESSAR CONSTANTEMENTE?

Toda confissão apaga completamente nossos pecados, até mesmo aqueles que tenhamos esquecido. E nos dá a graça santificante, tornando-nos naquele instante uma pessoa santa. Tranquilidade de consciência, consolo espiritual. Aumenta nossos méritos diante do Criador. Diminui a influência do demônio em nossa vida. Faz criar gosto pelas coisas do alto. Exercita-nos na humildade e nos faz crescer em todas as virtudes.

19. E SE TENHO DIFICULDADE PARA CONFESSAR UM DETERMINADO PECADO?

Se somos conhecidos de nosso pároco, devemos neste caso fazer a confissão com outro padre para nos sentirmos mais à vontade. Em todo caso, antes de se confessar converse com o sacerdote sobre a sua dificuldade. Ele usará de caridade para que a sua confissão seja válida sem lhe causar constrangimentos. Lembre-se: ele está no lugar de Jesus Cristo!

20. O QUE SIGNIFICA A PENITÊNCIA DADA NO FINAL DA CONFISSÃO?

A penitência proposta no fim da confissão não é um castigo; mas antes uma expressão de alegria pelo perdão celebrado.

Padre Wagner Augusto Portugal

O ABRAÇO FAZ BEM

Abraço faz bem
Quem recebe um abraço fica feliz.
Quem oferece outro abraço fica muito mais feliz
Um abraço acalenta a alma, dá gosto a vida, envolve de ternura o coração.
Um abraço contagia até mesmo quem está perto de quem é abraçado. Inebria mesmo quem está tão distante dele. Um abraço tem poder radiante, ultrapassa limites, não tem fronteiras, vai longe .
Um abraço caloroso, cheio de beleza, traz o perfume das rosas, encanta o mar.
Abraçar só faz bem. Quem não quer um abraço verdadeiro de um amigo, namorados, pai ou mãe, irmãos. Enfim o abraço traz alegria!
Abraçai e deixai ser abraçado. Deixai ser envolvido pelo abraço que te faz tanto bem.
Corra e abrace agora a quem desejas oferecer este abraço. Tenho certeza de que ele só ira lhe fazer bem. A partir do momento em que você abraça alguém, deixe ser abraçado também. Faça esta experiência do abraço em sua vida e verás milagres acontecer.

MENSAGEM TIRADA DO LIVRO "ABRAÇO"


Autor: PADRE FRANCISCO VALDEMAR

Como eu trato as pessoas com as quais convivo?

Segundo o evangelista Mateus, é importante a consciência de que “a ira do homem não realiza a justiça de Deus” (Tg 1,20) e que é pela prática da justiça divina que a sua vida é restaurada sobre a terra. Isto é tão fundamental que se torna imprescindível na vida existencial do homem e extensivo a todas as outras práticas, no seu dia a dia, para tornar possível a convivência dos homens entre si e entre o meio ambiente.
“Ouvistes o que foi dito…”, “Eu, porém, vos digo…”. Jesus não pretende “reformar” a complexa doutrina do Judaísmo. Ele veio nos ensinar a viver em plenitude a Lei de Deus e nos adverte que a nossa justiça deve ser maior do que a dos mestres e dos fariseus que viviam na rigidez da Lei, mas se esqueciam de que o maior mandamento do Senhor era justamente o amor; também se esqueceram de que, mais importante que a Lei em si, é o bom relacionamento entre as pessoas.
Muitas vezes, nós também, como os escribas e fariseus, nos apegamos ao que a Lei nos exorta: “não fazer”. Ficamos, então, alerta para não cometer as faltas mais graves como matar, roubar, adulterar, ter maus pensamentos, etc. “Todo aquele que se encoleriza com o seu irmão será réu de juízo.”
O desejo primeiro de Deus, ao criar os seres humanos, é que estes vivam na mais perfeita comunhão, deixando de lado tudo quanto possa dividi-los e separá-los pelo muro da inimizade. O ódio e a divisão constituem flagrante desrespeito à vontade divina.
O homicídio é uma forma incontestável de ruptura com o próximo, culminando com a sua eliminação. Para evitar isso, Deus condenou, definitivamente, esse crime com o mandamento: “Não matarás”.
Todavia, a eliminação física do próximo é antecedida por outros gestos de eliminação de igual gravidade. Por exemplo, a simples irritação contra os outros e as palavras ofensivas contra eles são formas sutis de atentar contra a vida alheia. O discípulo do Reino não pode agir desta maneira.
A Palavra de Deus – que Jesus veio esclarecer para nós – vai além das coisas que praticamos, mas atinge também o que nós pensamos, falamos ou expressamos a partir do nosso coração. Assim sendo, não podemos chamar os nossos irmãos e irmãs de “tolos” nem mesmo de ”idiotas”.
Quanto ensinamento para nós!
A oferta que fazemos ao Senhor será desnecessária se, primeiro, não oferecermos a nossa compreensão e perdão às pessoas com as quais nos relacionamos. Enquanto caminhamos, aproveitemos o conselho do Mestre para que a nossa justiça seja maior do que a justiça dos “mestres da Lei” e dos “fariseus” de hoje.
Como é a nossa justiça? O que é justo para Deus? A justiça de Deus é o amor, o perdão e a reconciliação. Mas e a nossa? Fazemos as nossas ofertas no altar do Senhor, mas como está o nosso coração? Reflita agora: “Como eu trato as pessoas com as quais convivo?”.
Você tem o costume de “falar mal” dos outros e faz isso “de coração”? Já pensou que, quando você faz a oferta do seu coração, na hora da Santa Missa, ele pode estar sujo pela falta de perdão, da ofensa feita, do ódio por alguém?
A reverência a Deus passa pelo respeito ao próximo.
Na liturgia de hoje, Jesus exige de mim e de você – como Seus discípulos – a reconciliação com o próximo antes de fazer a próxima oferenda a Deus. Se alguém está para fazer sua oferta, mas se recorda de algum desentendimento com o próximo, deverá deixá-la aos pés do altar e reconciliar-se, antes, com o Senhor. Caso contrário, a oferta não terá valor perante Deus.
O Senhor vem nos revelar que qualquer doutrina ou lei só tem valor à medida que contribui para a libertação e a promoção da vida. Jesus não propõe uma doutrina, mas ensina a prática restauradora da vida. A grande novidade que Ele nos ensina, hoje, é o perdão sem limites e a reconciliação, pois são estes que nos levam à comunhão de vida com Deus e com os irmãos.
Por isso, quero, Senhor Jesus, que me ensine a perdoar meus irmãos e irmãs para, assim, estar em comunhão com o Seu Sacratíssimo Coração e com o coração do meu próximo.

Padre Bantu Mendonça